31 de out de 2010

A hora de viver

Mas o que eu nunca havia experimentado era o choque com o momento chamado já. Hoje me exige hoje mesmo. Nunca antes soubera que a hora de viver também não tem palavra. A hora de viver, meu amor, estava sendo tão já que eu encostava a boca na matéria da vida. A hora de viver é um ininterrupto lento rangido de portas que se abrem continuamente de par em par. Dois portões se abriam e nunca tinham parado de se abrir. Mas abriram-se e nunca tinham parado de se abrir. Mas abriram-se continuamente para - para o nada?
A hora de viver é tão infernalmente inexpressiva que é o nada. Aquilo que eu chamava de "nada" era no entanto tão colado a mim que me era... eu? e portanto se tornava invisível como eu me era invisível, e tornava-se o nada. As portas como sempre continuavam a se abrir. 
Finalmente, meu amor, sucumbi. E tornou-se um agora.
 Clarice Lispector em "A Paixão Segundo G.H." Editora Rocco. p. 78/79

Nenhum comentário:

Postar um comentário